Caio quer caixas eletrônicos acessíveis | Vereador Caio Cunha

Caio quer caixas eletrônicos acessíveis

10 de Novembro de 2017 | 73 visualizações | Por: Caio Cunha | Atualizado em: de de
Tempo estimado de leitura: 3 minutos.

Objetivo é garantir à população um terminal de autoatendimento com tela e teclado na altura de 1,30 metro, que prestem os mesmos serviços que os convencionais

O vereador Caio Cunha (PV) apresentou nesta semana um Projeto de Lei que obriga as agências bancárias a ampliarem a acessibilidade de caixas eletrônicos e guichês acessíveis para atendimento de Pessoas com Deficiência (PCDs) e de baixa estatura. O objetivo é garantir à população um terminal de autoatendimento com tela e teclado na altura de 1,30 metro, que prestem os mesmos serviços que os convencionais.

Segundo o parlamentar, as agências também deverão contar com, pelo menos, um balcão de atendimento rebaixado. Os bancos também terão que disponibilizar aviso na entrada do estabelecimento sobre a acessibilidade nos equipamentos. Os que não se adaptarem sofrerão punição que vai desde advertência até interdição.

“Os critérios básicos de acessibilidade são hoje de grande discussão no desenvolvimento de políticas públicas em todo país. A realidade é que as cidades ainda não estão muitas vezes adaptadas a simples necessidades, gerando um desnecessário constrangimento público a que muitos são obrigados a enfrentar diariamente, em suas tarefas do dia a dia, como ruas sem rampas para cadeirantes, botões de elevador fora do alcance, entrar ou sair de um ônibus, dentre outras”, apontou. 

Para Caio, o projeto vai oferecer autonomia para as PCDs e de baixa estatura, com a possibilidade de dispensa de auxílio de terceiros nas agências bancárias de atendimento, fazendo com que a pessoa tenha a liberdade de usar os serviços bancários a qualquer horário:

“Todo cidadão necessita de total acesso aos serviços bancários para o exercício de uma atividade remunerada. O grande problema é que a maioria das pessoas utilizam esses serviços básicos bancários nos guichês de autoatendimento, que muitas vezes estão fora das agências e não estão adaptados às pessoas de baixa estatura ou cadeirantes, excluindo-as desse tipo de atendimento. Portanto, este documento vai assegurar os direitos das PCDs e dos mogianos de baixa estatura”, afirmou.