fbpx

Caio critica forma de aquisição dos novos pontos de ônibus em Mogi

O vereador Caio Cunha criticou o empréstimo de mais de R$13 milhões para a prefeitura de Mogi das Cruzes adquirir novos pontos de ônibus. De acordo com o parlamentar, é um “projeto eleitoreiro”.

O empréstimo, aprovado na Câmara no final de 2019, teve voto contrário do vereador, que demonstrou seu descontentamento. “A gente vai onerar mais uma vez os cofres públicos pra um empréstimo de pouco mais de R$13 milhões pra pontos de ônibus. O detalhe é que não se fala qual tipo de ponto de ônibus será feito. Se for essa tranqueira que colocam por aí é questão de sol e chuva para enferrujar tudo e dá no que dá”, apontou ele.

TUDO NOVO? NÃO!

As críticas aumentaram na última semana após a publicação no site oficial da Prefeitura de que dos 670 novos pontos, apenas 470 terão alguns “apetrechos”, como: captação de energia elétrica, iluminação e tomadas para carregamento de eletrônicos. Os outros 200 pontos serão do “modelo padrão”.

Caio expôs nas redes sociais sua indignação ao publicar um vídeo explicando que o alto valor do empréstimo não garante acessibilidade, nem mesmo proteção em dias de chuva ou sol, e ainda, deixou seu posicionamento sobre quem deveria arcar com esse serviço, apontando que, atualmente, existem duas concessionárias operando em Mogi das Cruzes que são isentas de ISS e que recebem do cidadão mogiano uma das passagens mais caras da região.

PROJETO PARADO

No vídeo, Caio também citou seu Projeto de Lei 88/18, apresentado em 2018 e ainda em tramitação, e que obriga a apresentação de um laudo técnico para a aquisição e instalação de pontos de ônibus, o que garantiria, segundo justificativa, a comodidade e acessibilidade ao cidadão, além da certeza de proteção de raios solares e chuva. “A população de Mogi merece e precisa de abrigos de pontos de ônibus com acessibilidade e que realmente as protejam da chuva e dos raios solares. Nosso projeto está parado há 2 anos na Câmara”, afirmou ele.