Financiamento Coletivo

TEM ALGUNS MILHÕES SOBRANDO AÍ?

“Caio, só consegue se eleger quem tem dinheiro”. Essa foi a afirmação de alguns pseudoentendedores de política da cidade, nas vésperas da eleição de 2012. Tivemos que provar que eles estavam errados. Fomos eleitos com uma campanha limpa e de baixo custo. Disseram que foi sorte, mas repetimos a receita em 2016, e desta vez conseguimos ser o mais votado.

Seis anos se passaram desde a minha primeira eleição, e agora sou pré-candidato a Deputado Estadual. Mas acreditem... ainda escuto que de nada adianta ter propostas, propósito, representatividade ou engajamento se o candidato não tiver muito dinheiro. Segundo alguns, se você não é abastado financeiramente, tem que ter um patrocinador ou padrinho, a quem terá que se submeter e prestar alguns “favores”. Eis a lógica destrutiva da política.

Dinheiro para financiar a campanha é necessário, pois há gastos com material impresso, combustível, pessoal, infraestrutura, etc. O problema não é o dinheiro, mas como e a que “preço” ele é adquirido. Muitos entram na disputa já como reféns de poderosos e passam seu mandato apenas “pagando a conta”. Pois é... a corrupção começa na campanha.

Muita coisa mudou de 2012 pra cá. Agora os moleques da Câmara estão mais atrativos para o “mercado”. As propostas chegam aos montes. Mas só um aviso: NÃO ESTAMOS À VENDA!!! Temos um projeto de transformação que já começa com a forma de fazer uma campanha.

O atual modelo de financiamento eleitoral permite doação de pessoas físicas e recurso proveniente do Fundo Eleitoral, que fica com os caciques dos partidos. Estou em um partido que tem uma marca forte e não está envolvido em nenhum escândalo, porém recebe pouco recurso do Fundo Eleitoral.

Dizem por aí que nossa maior fragilidade é a falta de recursos financeiros. Pode ser, mas também é uma das nossas forças. Pois, além de não ficarmos sob o controle de ninguém, uma campanha de custo baixo nos estimula a criatividade e nos fortalece como grupo.

Não temos milhões, mas SOMOS MUITOS E VAMOS PRA CIMA!!!

Financiamento Coletivo

Financiamento Coletivo

Financiamento Coletivo

TEM ALGUNS MILHÕES SOBRANDO AÍ?

“Caio, só consegue se eleger quem tem dinheiro”. Essa foi a afirmação de alguns pseudoentendedores de política da cidade, nas vésperas da eleição de 2012. Tivemos que provar que eles estavam errados. Fomos eleitos com uma campanha limpa e de baixo custo. Disseram que foi sorte, mas repetimos a receita em 2016, e desta vez conseguimos ser o mais votado.

Seis anos se passaram desde a minha primeira eleição, e agora sou pré-candidato a Deputado Estadual. Mas acreditem... ainda escuto que de nada adianta ter propostas, propósito, representatividade ou engajamento se o candidato não tiver muito dinheiro. Segundo alguns, se você não é abastado financeiramente, tem que ter um patrocinador ou padrinho, a quem terá que se submeter e prestar alguns “favores”. Eis a lógica destrutiva da política.

Dinheiro para financiar a campanha é necessário, pois há gastos com material impresso, combustível, pessoal, infraestrutura, etc. O problema não é o dinheiro, mas como e a que “preço” ele é adquirido. Muitos entram na disputa já como reféns de poderosos e passam seu mandato apenas “pagando a conta”. Pois é... a corrupção começa na campanha.

Muita coisa mudou de 2012 pra cá. Agora os moleques da Câmara estão mais atrativos para o “mercado”. As propostas chegam aos montes. Mas só um aviso: NÃO ESTAMOS À VENDA!!! Temos um projeto de transformação que já começa com a forma de fazer uma campanha.

O atual modelo de financiamento eleitoral permite doação de pessoas físicas e recurso proveniente do Fundo Eleitoral, que fica com os caciques dos partidos. Estou em um partido que tem uma marca forte e não está envolvido em nenhum escândalo, porém recebe pouco recurso do Fundo Eleitoral.

Dizem por aí que nossa maior fragilidade é a falta de recursos financeiros. Pode ser, mas também é uma das nossas forças. Pois, além de não ficarmos sob o controle de ninguém, uma campanha de custo baixo nos estimula a criatividade e nos fortalece como grupo.

Não temos milhões, mas SOMOS MUITOS E VAMOS PRA CIMA!!!